terça-feira, 31 de agosto de 2010

Devocional

Santificação em Cristo | Pr. Olavo Feijó



Ao descrever a missão do Filho de Deus, no processo total da criação, o Autor da Carta aos Hebreus enfatiza a derrota da morte e o poder regenerador de Jesus Cristo: "Ora, tanto O que santifica quanto os que são santificadas provêm de um só. Por isso, Jesus não se envergonha de chamá-los irmãos" (Hebreus 2:11).

Mesmo tentando entender o objetivo final da obra do Criador, a verdade é que a verdade bíblica é grande demais para nosso entendimento. Há coisas, porém, que recebem ênfases nas Escrituras. Uma delas nos afirma que o Senhor escolheu um número ideal de criaturas humanas para se tornarem Seus filhos. Filhos por adoção. Diz também que o processo da adoção passa pela obra do Cristo, que se encarnou e, ao fazê-lo, abriu o caminho para a santificação e a glorificação final dos escolhidos.

Existem muitas razões para nos envergonharmos, em nossa vida cristã. Existe, porém, uma só razão para exultarmos - a obra de Jesus Cristo em nossa personalidade. Quando, pela fé, aceitamos a ressurreição em nossa vida, o ministério de Cristo, o Filho Unigênito, se torna consumado em nós. Porque Ele nos santifica, somos filhos. Porque somos filhos, Ele nos glorificará.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

A cada instante nossa fé é provada


As vezes eu paro para pensar no melhor a fazer, vc com certeza me diz que isto é uma atitude normal, será?

Já parou para pensar no que faz todos os dias ao se levantar e se dirigir ao seu trabalho?

Eu trabalho em um Centro Cultural fora da cidade aqui em Paranapanema, interior de São Paulo e as vezes a prefeitura nos avisa que não haverá condução naquele dia para nos levar ao trabalho, ai eu vou de carro, não importa o tempo que fico sem dirigir, sempre consigo chegar tranquilamente no trabalho e em qualquer outro lugar, mas como é algo casual e automático nem percebo tudo o que envolve esta atividade, eu simplesmente pego o carro e dirijo, com vc deve ser a mesma coisa...

Mas quando falamos de fé, de acreditar em Deus, por mais que a providência

Hoje eu queria refletir sobre isso e me dirigir a Deus Pai, através das mãos misericórdiosas de Seus Filho jesus, para pedir perdão pela minha falta de fé, meus vícios e meus medos...

Crer que o milagre vai realmente acontecer, e o mais importante, ser grato a Deus pelos milagres que acontecem a todo instante em minha vida e que deixo passar despercebido.
Divina sempre esteja ao nosso lado para nos amparar e que o livramento de Deus seja uma constante em nossas vidas, a incredulidade sempre nos assombra.

Fomos Escravos: O Senhor nos Livrou

Deuteronômio 6:21 - Então dirás a teu filho: Éramos servos de Faraó no Egito; porém o SENHOR, com mão forte, nos tirou do Egito;

O livro de Deuteronômio relata a maneira como Moisés reuniu o povo, recordando-lhes a Lei do Senhor e os livramentos históricos que os israelitas vivenciaram: “... Fomos escravos do Faraó no Egito, mas o Senhor nos tirou de lá com mão poderosa...” (Deuteronômio 6:21).

Lembrar das prisões de que o Senhor nos libertou é, sempre, um exercício de humildade e de gratidão. Cada um de nós sabe, no fundo do Seu coração, quão poderosas foram as algemas do passado, que nos impediram de viver dignamente, diante do Senhor e dos homens.

Olhar para trás, de vez em quando, não nos deixa esquecer das misericórdias do Senhor. Principalmente quando olhamos ao redor e pareça que tudo perdeu a graça. Que isso acontece, o Inimigo usa a mesma tática que usou contra o povo judeu: não seria melhor se tivéssemos permanecido no cativeiro egípcio? Para que tanto esforço de sair da escravidão se, no momento presente, estamos enfrentando coisas e situações que ameaçam nos derrotar? Será que nos enganamos, confiando nas promessas bíblicas? Se formos imparciais e levarmos o problema até o Senhor, Ele abrirá nossos olhos e nos mostrará que aquelas algemas do passado não existem mais. Fomos escravos: o Senhor nos livrou!

Pr. Olavo Feijó

domingo, 15 de agosto de 2010

Vamos começar a semana




Olá... como é bom chegarmos ao domingo e ao acordarmos contemplar uma nova semana, cheia de desafios e oportunidades.

Na semana que passou tive alguns contra tempos, tive que retirar postagens aqui do blog, coisa que nunca fiz, mas as vezes é preciso de mais coragem para ficar quieto do que para enfrentar, e vale a pena, tanto que quero com partilhar com vcs isto.

Quando decidimos acabar com algo, uma situação, um relacionamento, algo que consideramos errado ou que esta nos prejudicando o maior perigo é ficarmos ligados a isto.... e como é difícil depois de tudo ficar presos a lembranças, magoas, etc... olha eu passei por isso e sei o que estou lhe dizendo, valer mais a pena mudar ate mesmo o caminho para ir ao trabalho do que passar em lugares que te tragam lembranças, isto é, até que estas não te incomodem mais.

Vamos então começar esta semana, deixando para trás o que tem nos deixado triste ou sem esperança e acreditando que Deus já fez a parte dele, agora é coma gente, escolher a felicidade ou ficar preso ao passado.... vamos lá pode ser difícil no começo, mas depois é muito bom....

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Injuriados por sermos Cristãos



1 Pedro 4:14 - Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus; quanto a eles, é ele, sim, blasfemado, mas quanto a vós, é glorificado.


Ao descrever os padecimentos de Jesus por nós, o Apóstolo Pedro nos alerta sobre a justiça de padecer por amor a Cristo. E acrescenta: “Se pelo nome de Cristo seus vituperados, bem aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito de glória de Deus” (I Pedro 4:14).

Quantas vezes fomos vituperados, pelo fato de dar testemunho de Cristo? Quantas vezes, em função de nossa lealdade ao Mestre, sofremos humilhação, injúrias, desprezo? Às vezes, cansa. Não raro, a pressão é tanta que, se pudéssemos, fugiríamos para o céu.

Pedro confirmou que nossa grande bênção certamente será na vida eterna, com Cristo. Mas, na sua Primeira Carta, ele também nos ensina a discernir, aqui mesmo na Terra, “o Espírito da glória de Deus”. Discernir como Estêvão, que viu a glória invisível, durante seu martírio. O “Espírito da glória de Deus” repousa sobre nós e vive dentro de nós. Quanto maior o vitupério, maior Sua consolação. Nesta consolação, mesmo caídos Ele nos levanta. Mesmo injuriados, Ele nos glorifica.